Visualizar
Loading...

sábado, 9 de fevereiro de 2013

Policial militar é executado com 4 tiros na entrada de seu sítio

Pouco antes da execução, o cabo participou da troca de comando no 14º Batalhão da PM de Ipatinga

Ari de Souza/DeFato 


O cabo da Polícia Militar (PM), Amarildo Pereira de Moura, 45 anos, foi executado com quatro tiros no final da manhã desta sexta-feira, 8 de fevereiro, quando chegava próximo ao sítio Manancial Águas Claras, na zona rural da cidade de Santana do Paraíso (MG), na microrregião de Ipatinga. A polícia suspeita de que o policial tenha sido vítima de uma emboscada.
Lotado no 14º Batalhão da PM de Ipatinga, Amarildo Moura foi morto pouco depois de participar da cerimônia de troca de comando do batalhão entre o tenente-coronel Francisco de Assis e seu substituto de mesma patente Edvânio Rosa Carneiro, que comandava o 26º Batalhão, em Itabira.

Em entrevista à DeFato Online, o sargento Amarildo Pereira do Carmo, do departamento de Comunição da PM, em Ipatinga, e que curiosamente tem o mesmo nome e sobrenome do colega morto, contou que Amarildo Moura desfilou na guarda de honra.

"Ele esteve esta manhã na troca de comando e participou como guarda de honra na solenidade, depois recebeu folga e foi de moto para o seu sítio em (Santana do Paraíso). Após o crime a maior parte do efetivo policial saiu no encalço do suspeito", disse o tenente.

Ainda de acordo com as informações do assessor de Comunicação, a 200 metros da chegada ao seu sítio Amarildo Moura foi cercado e alvejado com um tiro numa das pernas, outro nas costas e dois na cabeça. O policial foi encontrado por moradores da região, aparentemente pouco depois da execução, mas já sem vida.

A moto, placa GXV-2342, e uma arma, ambas de propriedade do militar, foram levadas logo após a execução o que levou a polícia a suspeitar, inicialmente, de que o crime se tratava de latrocínio - roubo seguido de morte. A forma da execução, entretanto, redirecionou as investigações.


Policial Militar de Ipatinga é executado com nove tiros



Na tarde desta sexta-feira (8), por volta das 15h, o cabo da Polícia Militar, Amarildo Pereira de Moura, de 50 anos, foi executado com nove tiros em uma estrada de terra no bairro Águas Claras, em Ipatinga. Bandidos fizeram uma “tocaia”, e no momento em que o policial seguia para sua chácara para descansar, foi atingido pelos disparos na cabeça, costas, braço e perna.


Amarildo morreu próximo a uma poça de água, na estrada de acesso à sua chácara, que fica há poucos quilômetros de sua casa.

Os assassinos se esconderam em meio a um matagal e atacaram o policial por trás, sem que tivesse chance de reação.

Veja neste vídeo um trecho do desfile em que Amarildo desfilou

O policial Amarildo participou da comemoração de troca de comando ocorrida na manhã desta sexta-feira (8), no 14º Batalhão. Ele desfilou e foi executado poucas horas depois.


O tenente-coronel Edvânio Carneiro assumiu o comando deste batalhão.


Policiais de todas as patentes estiveram no local e iniciaram intensa operação de investigação e rastreamento dos criminosos.


Amigos e vizinhos acompanharam a “movimentação” da Polícia nas proximidades da residência de Amarildo e no local do crime.


Residência do cabo Amarildo.

O corpo do policial será velado na Igreja do Evangelho Quadrangular de Águas Claras, localizada na rua Girassol, onde permanecerá até a manhã deste sábado (9). O sepultamento será realizado em Novo Horizonte, cidade natal de Amarildo.

Plox


Policial militar é tocaiado e assassinado no ParaísoFoi intensa a movimentação de policiais militares no local do crime: homicídio já tem um suspeito

DIÁRIO POPULAR

(Crédito: Gizelle Ferreira)

PARAÍSO - Um policial foi morto a tiros na tarde desta sexta-feira (8) no bairro Águas Claras, em Santana do Paraíso. Ainda não se sabe quantas pessoas participaram do assassinato. Segundo informações repassadas pela Polícia Militar, o cabo Amarildo Pereira de Moura, 45 anos, estava em uma moto e retornava da solenidade de troca de comando. Após a cerimônia ele seguia em direção a um sítio da família, quando em uma estrada vicinal foi alvejado com vários tiros.

SUSPEITO
A PM trabalha com um suspeito que possui diversas passagens pela polícia e que teria comentado não gostar do policial. Militares realizaram várias diligências ontem em todos os locais onde seria possível encontrar o suspeito, mas ele não foi localizado.
Na tarde de ontem, um grande efetivo da Polícia Militar esteve no bairro Águas Claras. Até mesmo o novo comandante da 12ª Região de Polícia Militar, coronel Jordão Bueno, esteve acompanhando os trabalhos das equipes de perto. A polícia descartou totalmente a possibilidade de o assassinato do PM estar ligado a sua vida pessoal.

TOCAIA
Informações chegaram à polícia dando conta de que o executor do PM estava escondido atrás de um poste. O policial, ao reduzir a moto para passar em um trecho bastante danificado pela erosão, acabou sendo abordado e alvejado. O corpo do PM caiu em uma poça de água. No local, há marcas de sangue. Tudo indica que os possíveis autores ficaram de tocaia. Eles teriam cortado uma cerca de um lote vago e esperaram pela passagem do policial.

O cabo Amarildo tinha 25 anos de Polícia Militar. Ele era lotado em Ipatinga e trabalhava na 152ª Cia. da Polícia Militar no bairro Canaã, fazendo patrulhamento nos bairros Canaã e Bethânia. O policial não tinha filhos e morava com a mãe no bairro Águas Claras, em Santana do Paraíso.


Em dia de festa, PM é executado com 7 tiros

AMARILDO FOI ASSASSINADO QUANDO IA PARA A SUA CHÁCARA, PRÓXIMO AO BAIRRO ÁGUAS CLARAS, EM SANTANA DO PARAÍSO. ELE ESTAVA NA CERIMÔNIA DE TROCA DE COMANDO NO 14º BATALHÃO 

AKR / JVA

Amarildo (detalhe) foi encontrado por moradores em uma rua erma, fora do bairro Águas Claras. Eles teriam ouvido os disparos
SANTANA DO PARAÍSO – Um policial militar, lotado na Companhia 152, no Bairro Canaã, em Ipatinga, foi assassinado friamente nesta sexta-feira (08), por volta das 14h10, em uma rua vicinal próximo ao bairro Águas Claras, em Santana do Paraíso. O crime aconteceu horas depois da cerimônia de troca do comando no 14º Batalhão, (matéria abaixo) evento do qual ele teria participado. Toda a polícia procura os envolvidos no crime, que roubaram a moto do PM e a arremessaram no meio de um matagal, entre o Águas Claras e o Bairro Vila Militar, em Ipatinga. 

Segundo os irmãos da vítima, que compareceram ao local do assassinato, o Cabo Amarildo Pereira de Moura (50), divorciado, ia da sua casa, no Bairro Águas Claras, para sua pequena chácara, localizada a cerca de meio quilômetro de sua residência. No caminho, foi vítima de uma tocaia, na qual foi alvejado por sete tiros, sendo quatro deles na cabeça.

Segundo o perito Gilmar Miranda, que fez os trabalhos de praxe no local, o crime havia sido programado, sendo que os suspeitos ficaram um bom tempo aguardando a vítima.

O corpo foi encontrado por moradores próximos ao local do crime, que ouviram os estampidos de tiros. Ele estava caído, com o capacete perfurado. Atrás de um poste, próximo ao local do crime, o perito Gilmar Miranda percebeu uma abertura na cerca viva que contornava um dos lotes, feita recentemente. No local foram encontradas goiabas mordidas e uma sacola de salgadinho de milho. A suspeita é que os executores teriam feito a abertura na cerca viva e se alojado ali para esperar pela vítima. Ao observar as folhas murchas e secas, cortadas no chão próximo a cerca, o perito deduziu que os suspeitos permaneceram um bom tempo esperando a vítima.

Execução
AKR 

Os suspeitos da tocaia estavam dentro de um lote, onde tiveram acesso após cortarem uma cerca viva, e aguardaram a vítima passar
Quando o cabo Amarildo passou pelo local em sua moto Honda CG 125 Titan KS, placa GXV – 2342, de cor prata, os suspeitos saíram do arbusto e começaram a atirar. O primeiro tiro acertou na perna direita de Amarildo. Em seguida ele tomou mais dois tiros, um no braço e um nas costas, ambos no lado direito do corpo do policial. Após os disparos, ele caiu. Então, o autor do crime se aproximou e atirou mais três vezes na cabeça do PM, sendo que um dos tiros transpassou o seu crânio, sendo recolhido pela perícia na fibra do capacete que ele usava. Um quarto tiro foi dado no rosto do policial. A pericia apontou que os projeteis são de calibre .38, porém, ao invés serem de estanho, como é comum, era balas de aço, com um poder maior de destruição.

AKR 

Foram quatro tiros na cabeça, sendo que um dos tiros transpassou o crânio e ficou alojado na fibra do capacete
Após a execução, os suspeitos fugiram levando a arma do PM e sua moto. O veículo foi encontrado há 1,5 quilômetros do local do assassinato. Durante o rastreamento, uma viatura percebeu vários objetos estranhos em uma parte da estrada, próximo a divisa entre os bairros Águas Claras e Vila Militar. Seguindo uma trilha de estrada de chão, encontraram a moto do cabo. Os bandidos, após o homicídio, fugiram por dentro do bairro e se desfizeram da moto, possivelmente seguindo em direção ao Vila Militar. 

Suspeitas
Há cerca de trinta dias, um policial civil teria recebido a informação de seus informantes que bandidos com atuação no bairro Bethania estariam querendo assassinar um policial, sem revelar nomes ou motivos. Como o cabo Amarildo estava baseado na Companhia do Canaã, e atuava no Bethania também, inicialmente, trataram como que o homicídio fosse à confirmação deste aviso.

Outra investigação apontou como suspeito um indivíduo de apelido ‘Timirim’, que teria como vingança a motivação para matar o policial.  Ele também seria morador do Águas Claras. Testemunhas afirmaram que o cabo e este indivíduo teriam tido vários desentendimentos nos últimos dias. O policial é conhecido por ser muito rígido.

Prisões
AKR 

Jeferson Broseguini Miguel (20), foi preso logo em seguida, com uma arma na cintura
Durante o rastreamento, a PM se deparou com um indivíduo na rua Boston, no Morro Santa Rosa, no Bethania. Ele teria fugido ao ver a viatura, o que chamou a atenção dos oficiais. Jeferson Broseguini Miguel (20), foi preso logo em seguida, com uma arma na cintura, de calibre 32. Em sua residência, a PM encontrou outra arma, também de calibre 32. O jovem não foi associado ao assassinato do Policial, mas foi preso por porte ilegal de arma. Em 11 de setembro do ano passado, ele já havia sido preso pelo mesmo motivo, no Bairro Canaã. Ele é suspeito de envolvimento com o tráfico de drogas.



Cabo da Polícia Militar de Ipatinga é morto a tiros em Santana do Paraíso

Polícia Militar fez um cerco em busca do autor.
Uma pessoa foi presa suspeita de participar do crime. 


Do G1 dos Vales de Minas Gerais
Polícia Militar fez um cerco na tentativa de achar suspeito do crime. (Foto: Reprodução/Inter Tv dos Vales)Polícia Militar fez um cerco na tentativa de achar
suspeito do crime.
(Foto: Reprodução/Inter Tv dos Vales)
Um cabo da Polícia Militar de Ipatinga, região Leste de Minas Gerais, foi morto na tarde desta sexta-feira(8), no município de Santana do Paraíso.

Amarildo Pereira de Moura, de 45 anos, 25 de corporação, foi morto a tiros em uma estrada que dá acesso a um sítio da família, no bairro Águas Claras. A Polícia ainda não sabe se o crime foi uma execução ou latrocínio, roubo seguido de morte, já que a moto do PM foi levada.

No fim da tarde, policiais armados vasculharam possíveis locais onde um dos suspeitos de assassinar o cabo estaria escondido. Os militares vistoriaram casas, lotes e se posicionaram em vários pontos estratégicos. O cerco contou com o apoio da Polícia Civil. Segundo a PM, as buscas foram iniciadas depois que um homem fugiu ao ver a movimentação de viaturas.

Os policiais ainda informaram que o cerco ao possível suspeito vai continuar. Outro homem, que teria ligação com o assassinato, foi preso no morro Santa Rosa, no bairro Bethania, emIpatinga. A região seria uma rota de fuga do local onde o crime aconteceu.
Categorias:

0 comentários:

Postar um comentário

O espaço de comentários do blog são moderados.